domingo, 25 de julho de 2010

Namorix

Na hora de cantar todo mundo enche o peito nas boates, levanta os braços, sorri e dispara: "eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e todo mundo é meu também". No entanto, passado o efeito do uísque com energético e dos beijos descompromissados, os adeptos da geração "tribalista" se dirigem aos consultórios terapêuticos, ou alugam os ouvidos do amigo mais próximo e reclamam de solidão, ausência de interesse das pessoas, descaso e rejeição.
.
A maioria não quer ser de ninguém, mas que quer que alguém seja seu. Beijar na boca é bom? Claro que é! Se manter sem compromisso, viver rodeado de amigos em baladas animadíssimas é legal? Evidente que sim. Mas por que reclamam depois? Será que os grupos tribalistas se esqueceram da velha lição ensinada no colégio, onde "toda ação tem uma reação". Agir como tribalista tem conseqüências, boas e ruins, como tudo na vida.
.
Não dá, infelizmente, para ficar somente com a cereja do bolo - beijar de língua, namorar e não ser de ninguém. Para comer a cereja é preciso comer o bolo todo e nele, os ingredientes vão além do descompromisso, como: não receber o famoso telefonema no dia seguinte, não saber se está namorando mesmo depois de sair um mês com a mesma pessoa, não se importar se o outro estiver beijando outra, etc, etc, etc.
.
Embora já saibam namorar, "os tribalistas" não namoram. Ficar,também é coisa do passado. A palavra de ordem hoje é "namorix". A pessoa pode ter um, dois e até três namorix ao mesmo tempo.Dificilmente está apaixonada por seus namorix, mas gosta da companhia do outro e de manter a ilusão de que não está sozinho.
.
Nessa nova modalidade de relacionamento, ninguém pode se queixar de nada. Caso uma das partes se ausente durante uma semana, a outra deve fingir que nada aconteceu, afinal, não estão namorando. Aliás, quando foi que se estabeleceu que namoro é sinônimo de cobrança? A nova geração prega liberdade, mas acaba tendo visões unilaterais. Assim como só deseja "a cereja do bolo tribal", enxerga somente o lado negativo das relações mais sólidas.
.
Desconhece a delícia de assistir um filme debaixo das cobertas num dia chuvoso comendo pipoca com chocolate quente, o prazer de dormir junto abraçado, roçando os pés sob as cobertas e a troca de cumplicidade, carinho e amor. Namorar é algo que vai muito além das cobranças. É cuidar do outro e ser cuidado por ele, é telefonar só para dizer boa noite, ter uma boa companhia para ir ao cinema de mãos dadas, transar por amor, ter alguém para fazer e receber cafuné, um colo para chorar, uma mão para enxugar lágrimas, enfim, é ter alguém para amar.
.
Já dizia o poeta que "amar se aprende amando" e se seguirmos seu raciocínio, esbarraremos na lição que nos foi passada nas décadas passadas: relação é sinônimo de desilusão.O número avassalador de divórcios nos últimos tempos, só veio a confirmar essa tese e aqueles que se divorciaram (pais e mães dos adeptos do tribalismo), vendem na maioria das vezes a idéia de que casar é um péssimo negócio e que uma relação sólida é sinônimo de frustrações futuras. Talvez seja por isso que pronunciar a palavra "namoro" traga tanto medo e rejeição. No entanto, vivemos em uma época muito diferente daquela em que nossos pais viveram.
.
Hoje podemos optar com maior liberdade e não somos mais obrigados a "comer sal junto até morrer". Não se trata de responsabilizar pais e mães, ou atribuir um significado latente aos acontecimentos vividos e assimilados na infância, pois somos responsáveis por nossas escolhas, assim como o que fazemos com as lições que nos chegam. A questão não é causal, mas quem sabe correlacional. Podemos aprender amar se relacionando. Trocando experiências, afetos, conflitos e sensações. Não precisamos amar sob os conceitos que nos foram passados. Somos livres para optarmos.
.
E ser livre não é beijar na boca e não ser de ninguém. É ter coragem, ser autêntico e se permitir viver um sentimento... É arriscar, pagar para ver e correr atrás da felicidade. É doar e receber, é estar disponível de alma, para que as surpresas da vida possam aparecer.
.
É compartilhar momentos de alegria e buscar tirar proveito até mesmo das coisas ruins. Ser de todo mundo, não ser de ninguém, é o mesmo que não ter ninguém também... É não ser livre para trocar e crescer... É estar fadado ao fracasso emocional e à tão temida solidão.

.
[Arnaldo Jabor]
.
.

22 comentários:

HSLO disse...

Créditos da imagem:


http://br.olhares.com/


abraços de luz e paz


Hugo

Eliene Vila Nova disse...

Oi meu querido
obrigada pelo elogio, adorei a sua visita.
E nossa gosto muito de vir aqui, é sempre muito inspirador.
Um final de semana abençoado.
Beijos

Fabrício disse...

ainda não senti os efeitos negativos de ser um 'tribalista', claro que as vzs eh bom ter alguem fix e nao uns namorix.
bjs

Renato Orlandi disse...

São as desvantagens dessa nova geração com certeza, por isso que talvez não seja tão estranho ser adepto ao modelo de educação antigo, onde os pais realmente educavam, onde realmente existia conquista, sensualidade, hoje em dia, as pessoas são pedaços de carne em baladas que servem apenas para cobrir espaços vazios por alguns momentos de crianças mentalmente imaturas para um tipo d e compromisso que exige mais do que apenas uma noite, e isso vemos em qualquer idade... É bom dançar, é bom beijar, mas não podemos nos iludir... Abraçooo!

ღPat.ღ disse...

Hugo,

Eu sempre pensei da forma como descreveu no texto. E digo com toda satisfação que não apetece-me ter namorix, até porque, nem consigo viver isso. Sou da época em que qualquer ato de carinho para com o outro só ocorre dentro de um compromisso de namoro... mesmo que não dure muito tempo, mas que seja um relação de um para um com sentimentos fortes e único.

Adorei imenso a maneira como abordou o assunto!

Quero agradecer teu carinho bailarino, e dizer que jamais deixaremos de fazer parte da dança, mesmo que um dia tenhamos que trilhar outros rumos...

Meu carinho e minha admiração aqui para você!

Beijos.

Cris França disse...

que mensagem maravilhosa meu amigo, a verdade é que em termos de amor, perder é sempre ganhar. bjs querido

Danieli Zimmermann disse...

Olá obrigada por desejar um feliz aniver... valeu mesmo fico contente com sua amizade no meu blog...
e bonita cronica, Arnaldo Jabor como sempre falando sobre relacionamentos... eu estou namorando, mas sei o quanto é difícil escolher o que se quer, ou uma coisa ou outra..
Mas o mais importante é ser feliz sempre solteiro ou namorando


beijooo querido

olhar disse...

Hugo querido, para mim a vida é assim:ação e reação...o que importa é estarmos felizes e que o relacionamento esteja fazendo BEM para as duas partes.
E sou adepta e à favor sim
do amor à moda antiga, do amor de mãos dadas, da fidelidade, do carinho, do cineminha com pipoca,...affff....não há nada melhor!
E tenho muita pena desta geração de que ninguém é de ninguém...são pessoas tristes, vazias,e fúteis....

beijos no seu coração gigante, menino lindo!

Bia

Everson Russo disse...

Sei lá meu amigo,,,é cada geração leva a vida numa intensidade diferente,,,realmente é complicado o algo por uma noite só,,,hoje,,,seria melhor algo mais duredouro,,,quem sabe até pra vida toda....abraços de otima semana pra ti.

Majoli disse...

Ótimo texto para reflexão.
Eu, apesar dos meus 50 anos, ainda acredito que exista algo mais sólido quando o assunto é relacionamento.
É tão bom receber um telefonema pós-encontro, um de boa noite, de bom dia..sei lá, saber do outro e o outro saber de você.

Beijos meu querido e um delicioso domingo.

Rosan disse...

olá.
que belo texto nos apresentas.
já tinha percebido que muitos jovens se comportam assim, enquanto outros ainda cultivam os custumes antigos de namorar em casa como antigamente....
mesmo meu casamento não tendo dado certo, não sou contra o amor, o compromisso, acho que ter alguem e ser de alguem, é tudo de bom...



beijinho

Paulo Braccini disse...

Muito rica esta reflexão ... uma pena mesmo q o mundo de hoje se permita iludir assim ... mas são opções de cada um não é mesmo? Amanhã, tomara q não chorem o leite derramado, qdo a carne já não for comestível pois outras mais tenras estarão disponíveis no mercado e se sentirem inteiramente à margem da vida ... mas como disse são escolhas ... plantamos e colhemos ...

parabenizo o Renato pelo comentário jovem mas perceptivo e inteligente ...

a vc ... bem vc amigo Hugo, dispensa qualquer adjetivo ... vc é super ...

bjux

;-)

Dil Santos disse...

Oi Hugo, tudo bem?
Gente, essa modalidade é nova pra mim kkkkkk
Ainda bem que ñ faço parte desse grupo, rsrs
Menino, feliz dia do amigo atrasado, rs
Abraços menino

Ana Maria disse...

Parabéns ao dia do escritor!
Amei sua mensagem!
Beijinhos no seu coração!

Déia disse...

todo mundo quer alguem, todo mundo quer amor de verdade...
Só ficar, sem envolvimento, só traz um vazio no peito e uma dor no coração... caem as mascaras...

Que cada um encontre seu amor!

bj

Lucas disse...

amo este texto pena q n encontramos quem namorar da noite pro dia

abraçossss

musica boa =)

Três Egos disse...

Sabe, depois de ler o seu texto acho que sei o meu problema: eu sou um tribalista! uhauhauhauhauha... Preciso mudar isto NOW... ou não... rsrsrs

Beijo!

Little Ann. disse...

Isso é verdade. Hoje as coisas só tendem a piorar cada vez mais.
Sabe, eu particularmente sempre quis ter alguém. Se for pra me envolver que seja serio, que valha a pena.
Numa sociedade catastrofica como essa em relação a sentimento , eu acho que posso ser uma exceção como muitas outras.
muito bom esse texto!

Luci Cardinelli disse...

Muito bom!!! Jabour arrasa!!

ótima semana

Graça Pereira disse...

No meu tempo...chamava-se "flirtar"... e havia quem tivesse mais que um "namorico" no caso de algum falhar...depois, haviam os ataques de choro e dias seguidos no quarto escuro sem ver ninguém...
Hoje, as coisas estão pior...porque as pessoas deixaram de ter respeito por si próprias e pelos outros...não sabem mais amar e nem querem aprender...por isso, os consultórios estão cheios, os suicídios aumentam e, apesar de tanta "alegria" nas discotecas...a maioria sai de lá na companhia da Dona Solidão!!
Oportuno este texto...
Beijo
Graça

gabriela marques. disse...

Disse tudo!
Porque na vida, vivemos a procura de alguém que nos complete. E ser de ninguém é o mesmo que não ter alguém... é triste!

Daniel Savio disse...

Viramos produtos, não pessoas, queremos que nos consumam, não que nos desenvolvam....

Fique com Deus, menino Hugo.
Um abraço.