quarta-feira, 26 de setembro de 2012

A educação básica cabe no município?





As eleições deste ano devem nos levar a discutir uma prioridade constitucional dos municípios, a educação. Esta é a sexta eleição de prefeitos e vereadores sob a Constituição de 1988, que deu ao município a atribuição de zelar pela educação básica, tendo os Estados como parceiros e a União... ela, bem ao longe. É hora de cobrar duas questões dos candidatos: o que propõem para o nível de educação mais relevante que há, o inicial, que forma as crianças e define boa parte de seu futuro? E se até agora esses gestores não deram conta de melhorar a educação fundamental e o ensino médio, darão um dia? Será o caso de pensar seriamente na proposta do ex-senador Cristovam Buarque - ex-ministro da Educação, verdadeira usina de ideias - que diz que a educação básica, importante que é, tem de ser federalizada?



Foto disponível aqui



Postagem publicada em Valor Econômico





2 comentários:

Vanessa Barbosa. disse...

Creio que existam até pessoas querendo melhorar a educação, mas o que são dois gatos pingados no meio de uma multidão?
Nosso papel é cobrar, fiscalizar, se nos fizermos presentes de verdade no cunho político, quem sabe aos poucos a situação não muda. O que se sabe de fato é que a educação deixou de ser prioridade e nossas crianças estão empurrando com a barriga, comendo letras e até textos inteiros.

Mylla Galvão disse...

Hugo,

É muito importante escolher em quem vamos votar - tanto para prefeito quanto para vereador...
Serão eles que vão comandar as cidades, serão os projetos deles que vão melhorar cada cidade...
Então? Será que federalizando a educação básica, a "coisa" melhora?
Acho que não... As Universidades estão aí de prova...
Acho que deveriam valorizar mais os profesores! Melhores salários e um plano de carreira, é uma bela saída...

bjos