sábado, 14 de maio de 2011

Curas que matam



No dia 17 de maio celebra-se o Dia Internacional contra a Homofobia, Lesbofobia e Transfobia, comemorando que em 1990, num feito histórico, a Organização Mundial da Saúde (OMS) aceitou oficialmente a homossexualidade como uma variação natural da sexualidade humana. Uma vigília ecumênica marcada nesta mesma data acontecerá em Brasília, com início às 19h, na Biblioteca Nacional, que fica ao lado da Rodoviária do Plano Piloto. A campanha, nomeada CURAS QUE MATAM, exige que os governos respeitem o princípio da laicidade na América Latina e países do Caribe, além de tomarem medidas concretas para combater as "terapias" que prometem curar os gays. O protesto quer ainda que o sistema público de saúde exclua de seu quadro os profissionais que realizarem a “cura” da homossexualidade.
.
O consenso médico e político também vem crescendo em todo o mundo no sentido de adotar o mesmo enfoque sobre a transexualidade.
.
Opondo-se a isto, algumas vozes conservadoras ainda pregam e promovem a chamada “terapia reparativa”, muitas vezes com o apoio de correntes religiosas e, às vezes, inclusive como consentimento de instituições do Estado.
.
Estes “tratamentos” não apenas são ineficazes como também reforçam os sentimentos de culpa e a baixa auto-estima, aumentam o sofrimento psicológico e, em alguns casos extremos, levam pessoas ao suicídio. Por outro lado, ao incentivar a homofobia, lesbofobia e transfobia, incitam a discriminação, a violência e os assassinatos.
.
A grande campanha latinoamericana e caribenha “CURAS QUE MATAM” se opõe a qualquer terapia que pretenda “curar” a homossexualidade e a transexualidade.
.
.
Fonte: Mundo Mais
.

12 comentários:

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do Blog Machado de Carlos. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs

Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.

Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

Flor de Lótus disse...

Oi,Hugo!Terapias que "curam" gays,ai meu Deus a que ponto a gente chegou essa gnete não tem mais o uqe fazer não, aceitar que cada um é o que é é assim tão difícil?
Um ótimo domingo!
Beijosss

Valdeir Almeida disse...

Hugo,

"Laicidade", esta é palavra de ordem, de fato.

A Constituição assegura um Estado laico. Isso significa que nenhuma corrente religiosa pode influenciar nas suas decisões (do Estado). Mas não é isso que se tem visto no Brasil (e pelo que observo, nem nas Américas).

Aqui, congressistas evangélicos e católicos se elegem através dos votos de fieis fanáticos e cheio de ira. Quando tais congressistas elaboram as leis, são sempre com componentes de religiosidade. É por isso que leis como casamento homossexual e lei anti-homofobia são discutidos mas não são aprovados.

Por isso que eu acho que os gays deveriam se reunir em eventos como estes, que ocorrerá em São Paulo, e mostrar a cara mesmo. E os héteros que apoiam a causa, que não fique só dizendo "não tenho preconceito". Já que não têm, externizem isso, ajudando a combater a discriminação.

Abração, Hugo, e ótimo domingo.

Valdeir Almeida disse...

Gostaria que você participasse da enquete que está aberta no meu blog. Se possível, óbvio.

Diogo Didier disse...

O caminho é esse mesmo! Gostei do post e o estou levando para o meu blog rsrsrsr...bjoxxxxxxxxx amigo!

♪ Sil disse...

Hugo querido!

Tá mais do que na hora do nosso País abolir qquer tipo de preconceito.
(Aliás, detesto essa palavra).
Tá na hora do mundo, das pessoas, perceberem que todos somos iguais, independente de nossas opções de vida, religiosas, seja lá mais o que.
Por falar nisso, hj liguei a TV de manhã e vi um pastor berrando (Não sei ainda pq eles gritam tanto), debatendo esse tema de homossexualidade, pregando contra, totalmente contra e ainda usando o nome de Deus.
Óbviamente, dei uma gargalhada, desliguei a tv e pedi a esse Senhor (dos gritos) misericórdia.
Enfins, que seja banida de nossas vidas essa palavra cruél chamada preconceito.
Já passou da hora!

Um abraço pra ti!

Lúcia Soares disse...

Antes de ler seu texto, não tinha mesmo entendido o título da campanha.
Acho louvável.
Cada um que cuide da sua vida, pra que não seja preciso mobilizar pessoas.
Acho que quanto mais entrarem no mérito da questão, mais discriminação haverá.
Acho que gente é gente.
Mesmo cada um tendo seu credo, sua cor, sua sexualidade,seus pensamentos.
Estão "tentando" ajudar, mas acabam jogando lenha na fogueira.
Beijo!

Alexandre Fernandes disse...

Qualquer coisa é válida para exterminar de vez toda esse preconceito tão evidente.

Abraço!

ONG ALERTA disse...

Importante é fazer coisas boas para todos, beijo Lisette.

Nilce disse...

Oi Hugo

Aplaudo e apoio esta vigília.
Liberdade sem preconceito para todos.

Bjs no coração!

Nilce

Lou Albergaria disse...

Homofobia é medo de fraquejar diante das próprias convicções. Quem se garante e sabe quem é de verdade não precisa refutar o outro.

ABAIXO A HOMOFOBIA!!!

Sejamos livres sempre para sermos o que já somos!

Beijos!!!

Daniel Savio disse...

Temos de respeistar o que cada um é...

Fique com Deus, menino Hugo.
Um abraço.