terça-feira, 10 de agosto de 2010

Chance de Aladim


.
Se canto sou ave, se choro sou homem
Se planto me basto, valho mais que dois
Quando a água corre, a vida multiplica
O que ninguém explica é o que vem depois...
No alto da montanha o vazio é tamanho
No ventre do mar a treva é abissal
Indo pela beira falta sal na vida
O que ninguém ensina é o ponto do mingau
Numa pirueta o corpo se agiganta
Bate uma preguiça, a fé fica pra trás
O amanhã num instante vira agora
Eu juro que ninguém me disse que era
nunca mais...que era nunca mais
No dedo mindinho levo o meu carinho
O anel de safira vai no anular
Pai-de-todos manda, fura-bolos fura
Viro o azar em sorte no meu polegar
Mão de milho, mão de irmão que dá e tira
Sumo de mentira, escapo e digo sim
Meia-volta e o par é quem topa a quadrilha
E ninguém me livra de ser livre em mim
Esfrego e um gênio cumpre três desejos
Fantasio a morte, engano a dor banal
O que ninguém me rouba é o sonho de gigante
E o tudo e o nada, juntos brincam o carnaval
Nunca é tarde pra acender a lamparina
E enxergar além da vaidade vã
Nunca é nada pra quem curte uma saudade
E niguém me nega a luz dessa manhã
Quem disse que ser feliz é o fim de tudo?
O que ninguém me tira é o começo de mim
Meu canto é maior quando o mundo é mudo
E o que muda o mundo é a chance de Aladim...
A chance de Aladim
O amor é tudo, o diabo quer chamego
Nunca é muito cedo pra se achar a rima
Pego a lã, o pão, a viola, e o canivete
O que ninguém me dá, eu pego e danço em cima
O que ninguém explica, o que ninguém revela
O que ninguém me disse, o que ninguém me dá
O que ninguém me ensina, o que ninguém me livra
O que ninguém me entrega, é certo, Deus dará
É certo, Deus dará, certo, Deus dará...
.
.
 
[Luli]
.
.

27 comentários:

Paulo Braccini disse...

coisa mais fofa isto ... apaixonei com Luli ... obrigado por compartilhar ... adorável mesmo ...

bjux

;-)

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Gostei das variações, da contestação do poema. A dubiedade da vida, bem e mal juntos, sim e não lado a lado. Parabéns.Um abraço

Nilce disse...

Oi, Hugo

Que beleza!

Muito gostosa de ler. Um cá e lá de nos deixar enebriados.
Gostei muito!

Bjs no coração!

Nilce

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Hugo, muito bonito. Não conhecia.
Bjux

Serginho Tavares disse...

nada de HSLO por enquanto?

Sil.. disse...

Meu amadooooooooooooo Ney Matogrosso.

Tive isso no meu perfil do orkut por um longo tempo.
Belo post Hugo!!

Um beijão!!

Meri Aleixo disse...

Menino querido

que lindo post


o de ontem também está maravilhoso
a imagem é linda

meu querido amigo
tu tens algo muito especial viu Hugo
algo muito bom

Abraço de amizade

Renato Orlandi disse...

Que lindo poema, quase uma música, inocente e fofo, e vamos esperando nossos desejos né...

Vaca Jersey disse...

Muito bom, Hugo!!!
E aqueles corpitchos lá animam qualquer um, né?
Hahahaha!
Hugz!

Pelos caminhos da vida. disse...

Adorei esse poema.

beijooo.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

esse poema poderia ser musicado e gravado pela Bethânia, parece que estou ouvindo a sua voz cantando isso

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

Obrigado pela Leitura do Mais uma dose

Espaço Aberto disse...

Olá!
Pensou que havíamos nos esquecido de você?
Nada disso... Por isso, estamos aqui outra vez!
Viemos convidá-lo para ver como ficou a nossa interação na construção de um poema com o nosso grande e imortal poeta, Vinícius de Moraes.
Estamos ansiosos para saber o que você achou do poema.
Receba o nosso abraço carinhoso

Deia disse...

Oi Hugo!! Que lindo texto de Luli! "O que ninguém ensina é o ponto do mingau" - achei de uma simplicidade cortante. É verdade, o ponto do mingau, até encontrarmos, gera uma enormidade de mingaus jogados fora... Ah, mas quando atingimos a perfeição! Não há mingau como o nosso! Um beijo, Deia

Franck disse...

Que sua lâmpada de aladin, apareça, logo, logo! Abçs!

Água disse...

Olá! Vim lhe visitar e encontrei um texto prá lá de cativante. Somos ave, somos homem, no final, somos aquilo que Deus tem guardado para nós! Tanta correria, prá quê? Gostei muito! Um beijo, Água

Dani dutch disse...

OI Hugo este poema, retrata bem o que é a vida, o que nos ensinam, ou o que temos que descobrir por nos mesmos. Adorei.
bjuss

Fatima disse...

Gosto muito!!!!!!
Bjs.

Srt . Vasconcelos disse...

Lindo *-*

olhar disse...

Lindo demais, como sempre....e ouvindo esta música bárbara ao fundo:PERFEITO!

beijos no seu coração!

Bia

Isadora disse...

Oi Hugo maravilhoso poema. Cheio de contradições que em algum momento se completam.
Nada e Tudo brincam no Carnaval! Adorei
Um beijo

Caju disse...

belíssimos

Pistoleiro Corvo disse...

Toda noite morremos, e todo dia renascemos.
A regra da vida!

Abraços!

Vivian disse...

...em tudo existe o o outro
lado,
e ambos tem o seu valor.

que lindo post!

bj, Hugo!

Cacá disse...

INCERTEZA

Se transfiro a vaidade para a alma cresço
Se esta vaidade me apraz me reconheço
Se sofro com pequenas coisas mereço
Se vivo no benefício da dúvida calculo meu tropeço

Nas ondas alfa, beta e gama me embrenho
Ao descaso que com o pensar tenho
Pode ser apatia ou será empenho?
Vou saber depois se certezas tenho

Adorei seu poema, Hugo. Meu abraço.Paz e bem.

Mauri Boffil disse...

muito cookie, Hugo :D

Daniel Savio disse...

Realmente o extremos nos formam (seja para a felicidade, ou tristeza)...

Fique com Deus, menino Hugo.
Um abraço.