terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Por que preferir ser peteca?


Para que melhor seja entendida a pergunta, vou descrever o que seja e como procede esse tipo de pessoa que, não sei se voluntariamente ou por cumprimento do destino, vive de uma forma insólita e masoquista. A peteca é aquele objeto esportivo que está sempre sendo usado de mão em mão, tomando tapas de todos, vivendo de altos e baixos, mas, eventualmente caindo no chão, cheia e digna de penas e, quando todos a usam, abusam e cansam de bater e se divertiram bastante, jogam-na fora sem nenhuma cerimônia, adquirindo outra mais nova para substituí-la.
.
Como você pode ver, a pessoa peteca, é uma tola, insegura e pura, que nunca sabe o que quer, não aprende com as decepções que sofre ou, na pior das hipóteses, adora sofrer, vivendo apenas os momentos daquelas horas em que encontra alguém que esteja equilibrando-a no ar, não percebendo que esta sustentação só vai ocorrer até quando o seu usuário estiver sentindo prazer em bater-lhe, vendo-a sempre voltar oferecendo-lhe a outra face.
.
É lamentável que existam tantas pessoas que se enquadram perfeitamente nessa categoria. Assim como, muitas vezes nós todos bancamos a peteca por confiar demais em pessoas que não merecem nossa amizade ou estima. Mas, as inteligentes, saltam fora logo nos primeiros arremessos, mostrando que também tem dignidade e amor próprio.
.
Reflita e responda para se mesmo:
.
Será que você, totalmente ou em parte, nesse momento não está vivendo uma vida de peteca?
.
Será que valeu a pena às vezes em que você andou de mão em mão?
.
Ou você apenas está simplesmente ficando depenada e perdendo o seu precioso tempo pelo uso e abuso dos seus maus escolhidos jogadores?
.
Nada melhor que uma boa reflexão para avaliar seu comportamento, no sentido de deixar de ser usado ou usada indevidamente.

.
.
[Por Antonio Nunes __adaptado por HSLO]
.
.

36 comentários:

Gleydson™ disse...

Acho que no meu caso em particular, ainda perco meu precioso tempo com maus jogadores que aparecem na minha vida, mas graças ao bom Deus, esses são poucos. A maioria não é assim, mas mesmo assim tenho que aprender a lidar com essas situações.

Hugo, valeu pelas palavras de apoio, nessa horas vemos que existem pessoas boas nesse mundo que se preocupam com o bem do proximo.
Obrigado!!

Grande abraço!!

Sanzinha disse...

Conheço pessoas assim, mas não conhecia esse termo para tais pessoas. E é bem por aí mesmo.
Muito legal o post, Hugo!

Beijo grande!

Fatima disse...

Ótimo texto Hugo!
Blog tá ficando bonito heim!
Bjs.

Pelos caminhos da vida. disse...

Tenho um gênio um tanto forte devido a ser assim nunca fui peteca na mão de ninguém.

Bom dia amigo.

beijooo.

Dauri Batisti disse...

De um modo ou de outro sempre estamos nas mãos dos outros, fazemos parte do jogo, impossível não jogar. Mas, claro, Cada um proteja-se do melhor modo. Distraímos-nos no entanto...


Abraço

Sônia disse...

É...vale uma reflexão!


Bom dia Hugo!

brisonmattos disse...

Acho a vida preciosa demais para perder meu tempo pensando nisso. Vamos viver 1 dia de cada vez e deixar a vida acontecer, meu caro. Hoje não penso mais se me dou demais ou de menos. Aconteço...e que se danem os nós...Alguns eu vou conseguir desatar. rs

Xanele disse...

Usada indevidamente...
adorei o post
Bjsss Amore

Xan

Everson Russo disse...

O ser humano é cheio de misterios, conflitos a serem desvendados,,,mas caba a ele mesmo se colocar em posição de ser ou não peteca,,,muitas vezes é uma escolha errada de viver...abraço e um belo dia pra ti,

Prof. Sergio Ricardo disse...

A comparação é válida. Lamentavelmente o mundo está cheio de PETECAS. Abraço e parabéns pelo seu espaço.

Wanderley Elian Lima disse...

Bom dia Hudo
Infelizmente muitas pessoas petecas que existem por aí , não têm consciência que o são. Por motivos desconhecidos assumem essa postura submissa em relação a tudo e a todos de forma inconsciente.
Beijão

AL. disse...

simplesmente amei o texto!!!
vou repensar algumas atitudes.

besoss

Lú Silva disse...

Hugo lindo o texto. Adorei a compração.
Olha, verdade... muitas vezes sou como a peteca! rs
È preciso tambem ter coragem para ser peteca, as vezes, é necessário!
Coisas da vida e tal!

bjos

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

creio que há momentos que não tem como não ser peteca, mas há gente que adora tapinhas em demasia..,isso que é o diabo

Bia Maia disse...

Gostei, Hugo!
E saudades de você lá no meu cantinho!!!
Beijos e linda semana para você!

Biazinha

Paulo Braccini disse...

sim ... já fui peteca ... talvez ainda seja em alguns momentos e em algumas circunstâncias ... mas conscientemente não mais serei ... isto percebi e aprendi há muito tempo ... uma abordagem inteligente e oportuna amigo ... parabéns ...

bjux

;-)

Carolinne disse...

É verdade! Não podemos ser como as petecas! Temos que ser esperto e cair logo fora! Muito bom o texto, muito bom mesmo! :D

Rebeca disse...

Olá, estava passando por alguns blogs, caí no seu e vim visitar =)

Poxa, acho mesmo que sou uma peteca nesse momento.. além do maior problema: sofro por antecipação.. sempre!
bom mesmo refletir!

Já sigo aqui!
Beeijos e boa semana!

ludmilla disse...

oi querido ..
tanto tempo que eu naum venho aki q td mudou adorei a mudança ..bjokasssss

Poeta Mauro Rocha disse...

A pergunta é interessante e ainda pergunto: Será que teve outra opção essa peteca-humana? Ou será que quer mudar de opção essa humana-peteca? Todos temos altos e baixos e às vezes encontramos o chão,mas cada um sabe onde o calo aperta.

Um abraço!!

Fabiano (LicoSp) disse...

Eu acho q todos nos somos ou já fomos peteca um dia e principalmente somos peteca por confiar demais nas pessoas.

Eu particularmente acho que no momento não sou peteca, mas já fiz este papel com "amigos" queridos :(

bjux

Larissa disse...

Você me fez pensar depois desse texto. Por muito tempo, eu não soube escolher meus jogadores e caí tantas e tantas vezes. Mas hoje, já não vivo como peteca. Prefiro ser a boa jogadora da peteca dos outros, rs.
Belo texto.

Um beijo.

Felina Mulher disse...

Bom, cada qual deve se dar o valor merecido e eu como escorpiana nata, não permito que ninguém pise no meu calo, nem que pra isso eu tenha que sangrar por dentro, mas um sangue que eu msm provoquei.

Muito bom teu texto.
Gosto daki e se me permites lerei esse texto em uma de minhas palestras.

beijokinhas.

Maria Dias disse...

Oi moço...

As vezes a carencia e medo de perder nos faz se deixar viver feito pessoa peteca...Mas isso acontece pq se permite.Uma hora as luzes se acendem e a pessoa peteca acorda.

Aproveitando pra te dizer q voltei das férias cheia das lembranças...Te aguardo no Avesso!

Beijinhos

[ rod ] ® disse...

Como toda criança viva joguei peteca na infância e nunca tinha percebido essa analogia. Bem acho mesmo que nós damos a vez e permitimos tudo... o bem e o mal. abs meu caro!

Priscila Rôde disse...

Acho que em algum momento de nossas vidas permitimos viver dessa forma.
Uma reflexão é sempre válida.

Obrigada pela visita! ;)

minhas pinturas disse...

Olá Hugo: Durante a minha vida nada curta, encontrei muitas pessoas querendo me fazer de peteca. A consciência do que se quer, e do que se É nos deixa perceber esses "petequeiros" e reagir.
Como sempre gosto muito dos seus textos e analogias, são ótimos, me fazem pensar, rir ou emocionar-me, mas o fato é que tornei-me seguidora frequente do seu blog.
grande abraço,
Léah

EDUARDO POISL disse...

Hoje vim aqui agradecer pelas lindas palavras e carinho comigo nos teus comentários.
Obrigado do fundo do meu coração.

" Depois de algum tempo você aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias, e o que importa não é o que você tem na vida,mas quem você tem na vida."
- W. Shakespeare

Abraços com todo meu carinho

. intemporal . disse...

.

. o tempo é in.certo na certeza da sua efemeridade .

. peteca somos todos de quando em vez ou de vez em quando, ir.remediavel.mente .

. deixo.TE o abraço de sempre,,, .

.

. paulo .

.

Juliana Pires disse...

Em alguns aspectos da pateca eu me identifiquei, não em todos. Há muito tempo atrás eu já fui usada, fui ingênua e confiei em pessoas que não eram dignas de confiança, mas hoje eu aprendi com isso tudo e sou bem diferente.

Beijos

Daniel Braga disse...

Nháà.. adorei o post, acho que viver essa vida de peteca não é legal não hein...rs

~Obrigado pelo comentário no meu blog. Até a próxima.

*DB*

Léo Metallica disse...

Interessante como a Peteca encaixou perfeitamente ao caso.

Confesso que as vezes eu sou meio peteca. KKKKKKKK Mais outras vezes também sou a mão que joga.

Acho que a vida é assim cara, se todos nós tivermos pleno discernimento sobre o que ocorre a sua volta, acho que nos tornariámos robôs.

Penso que todos nós devemos ser petecas e jogadores na vida, e assim poderemos aprender as coisas boas e as coisas más da vida.

Mais... Não precisa ser peteca o tempo todo.

Direto do Rio.
Abraço.

Daiana Costa disse...

As vezes, nós perdemos a noção do que seria um verdadeiro amor, ou uma verdadeira amizade.
Um coisa é certa: no fim das contas, o amor-próprio é a única coisa que temos. E este, não podemos deixar escapar.

Pelos caminhos da vida. disse...

Desejo que em sua vida...

Não exista cara feia,
Não exista bolso furado,
Não exista tempo apressado,
Muito menos grãos de areia.
Não exista tempo fechado,
Não exista problema dobrado,
Não exista sonho frustrado,
Muito menos amor acabado.
Não exista amigo esquecido,
Não exista negócio falido,
Não exista boato mexido,
Muito menos dinheiro sumido.
Não exista tempo nublado,
Não exista ambiente abafado,
Não exista corpo dobrado,
Muito menos bom senso abalado.
Não exista mágoa engolida,
Não exista emoção reprimida,
Não exista alma sofrida,
Muito menos felicidade perdida...
Só desejo que você seja feliz!!!

(Desconheço o autor).

beijooo.

Essência e Palavras disse...

As reflexoes são doídas na maioria das vezes... Mas não são necessárias para compreender essa dor.

Adorei o post.

beeejo

Daniel Savio disse...

Eu diria que sou parte peteca, pois as vezes acabo sendo usado...

Mas até uma pessoa peteca tem o teu ponto de cobrar os teus direitos...

Fique com Deus, menino Hugo.
Um abraço.