domingo, 25 de outubro de 2009

Orixás: uma herença africana.

O sistema de escravidão trouxe, para o Brasil, crianças, adolescentes, mulheres e homens africanos. O tráfico se estabeleceu desde os inícios da colonização portuguesa, até o século XIX. Os escravos foram trazidos à força das mais diversas partes da África, e a senzala serviu de caldeirão, onde se misturaram crenças, línguas e etnias africanas das mais diversas.Os negros escravos, desde a senzala, tiveram na religião o espaço da resistência. Até mesmo em pleno vigor do regime escravocrata, um modelo de culto foi-se delineando, a partir de núcleos religiosos formados por negros libertos, de origem nagô. Com o tempo, esse modelo foi-se definindo, até tornar-se hegemônico e o culto aos orixás espalhou-se pelo Brasil. Os espaços construídos para o culto aos orixá obedeciam a um imaginário nagô, preservados a custo de lutas, sofrimentos e perseguições. As casas de culto terminaram por ficar conhecidas como terreiros e a prática religiosa, como candomblé. Além da etnia nagô, grupos de outras origens se firmaram. Os nagôs, também chamados iorubas, no entanto, resistiram às diversas influências externas. Os usos e costumes preservados nos terreiros revelam a herança africana, que faz parte de um conjunto de traços de identidade do povo-de-santo nos candomblés do Brasil. Os Orixás, divindades africanas a quem se dirige o culto, também são tomados como arquétipos da personalidade humana, servindo de base para processos terapêuticos, entre os fiéis, adeptos e simpatizantes do candomblé, nos quartos de consulta e nos rituais de iniciação.
.
A imagem acima é de Oxalá considerado e cultuado como o maior e mais respeitado de todos os Orixás do Panteão Africano. Simboliza a paz é o pai maior nas nossas nações na Religião Africana. É calmo, sereno, pacificador, é o criador, portanto respeitado por todos os Orixás e todas as nações. A Oxalá pertence os olhos que vêem tudo.
.
A partir de hoje, vou postar de forma intercalada das postagens que já são de rotina, algumas curiosidades dos Orixás mais populares no Brasil: Xangô, Oxum, Iemanjá, Iansã, Oxóssi e Ogum.
.
.
P.S. Amigos leitores a ideia de postar esse texto, descrevendo um pouco os mistérios dos Orixás, surgiu a partir de um bate papo com um amigo que acabou de entrar para o mesmo terreiro que frequento. Eu estava explicando a ele algumas curiosidades sobre as divindades africanas. Resolvi então dividir com vocês um pouco do meu conhecimento. Muito obrigado, Axé!

21 comentários:

Leandro disse...

Isso é muito interessante. Eu respeito muito as religiões, porém não sou adepto a nenhuma. Apesar disso, acho interessante os Orixás e também por ser muito forte aqui na Bahia. Somos o berço do Brasil e o estado mais negro do país.
Abraço.

P.S: Vou linkar o seu blog lá no meu.

.Lis disse...

Não é muito minha praia, porque sou evangélica , mas respeito todas as crenças e gosto muito de ler a respeito, tenho curiosidade de entende-las, principalmente essa ligada aos valores africanos e muito enraizada na Bahia, povo que admiro muito.Portanto,vou estar vindo aqui , como sempre .
Abraços,Hugo.

Fatima disse...

Que legal Hugo!
Gosto muito desse assunto. Estudo muito a cultura africana e afro-brasileira, dou palestras e tudo mais.
Apesar de católica praticante não posso negar o meu interesse pela religião africana, está no sangue né meu amigo.
Sou filha de Xangô e tenho uma outra influência que esqueci como se chama que é de Oxum. Minha amiga que é praticante do candomblé e tem um título que eu tb esqueci o nome falou que essa influências explicam muito esse meu jeito "ABSOLUTA" de ser.
Bjs.

Maria Dias disse...

Oi Hugo,

Sou espírita Kardecista mas simpatizo muito com os orixás q tb são espíritos iluminados.Tenho uma imagem de yansã q dizem ser minha protetora.Bem eu amo a chuva,as tempestades o vento e as borboletas...quando vou até a Bahia me sinto muito bem como se sentisse esta energia q emana neste pedaço de terra, fico muito bem principalmente no Pelourinho um lugar especialmente cheio de energia e história. Mas voltando a YANSÃ queria mesmo saber se ela é o meu guia protetor, pois duas pessoas me falaram isso mas no fundo nao tenho certeza(vc saberia me explicar como se descobre o orixá de cada um?).Boas postagens com este tema.

BEIJOS

maria

(Carlos Soares) disse...

Pela segunda vez leio algo da África hoje.A África tem seus encantos,seus mistérios,toda sua religiosidade, mas nãao para aí.Nos influenciou ainda com ritmos e culinária. Postagem inteligente e educativa. Um abraço

Me permita disse...

Olá, Hugo!

Assunto de utilidade pública, conhecer um pouco da cultura de um dos povos mais importantes da formação do povo brasileiro!

Sobre a postagem abaixo: "Personalidade", me fez lembrar de uma frase que eu não sei o autor: "Não olhe para o que homem é, mas para o que ele aspira!"

Abraço!

Luma Rosa disse...

É difícil comentar algo que não sei, porém tenho muita curiosidade, afinal, faz parte da nossa formação cultural!
Aqui no Brasil as religiões se interagem e até mesmo o candomblé evoluiu de uma forma que na África, manteve a sua tradição. Como se fosse dois galhos de uma mesma árvore! Bom fim de semana! Beijus,

Patrícia Pirota disse...

Hugo,

Que ótimo post!
Gosto muito da cultura dos orixás, e é sempre bom ter informações a mais...
Além disso, sou filha de Ogum, com muito orgulho =)


Bom final de semana.
Beijo procê!

Graça Pereira disse...

Adorei esta explicação que há muito desejava saber. Vou continuar a estar atenta ao Xangô, Oxum.... por aí fora. Só que não sabi que toda esta herança tinha vindo de África...Como é que lá, nunca ouvi estes nomes...ouvia outros, isso é verdade.
Um beijo e bom fim de semana.
Graça

Duanny!. disse...

Nossa que bacana!
esse é um tipo de cultura que eu não tenho muito contato, e é legal você estar mostrando isso não só pra mim, mas a muitas pessoas que assim como eu não tem o contato.
;*

Maycon Aguiar disse...

Sabe, não estou muito por dentro do assunto, mas não completamente fora. Concordo com a visão espírita, apesar de não segui-la. Belo texto. Já te sigo.

Abraço !

Wanderley Elian Lima disse...

Meu amigo, postei a algum tempo atrás uma série falando sobre cada um dos Orixás, ficou muito iteressante. Gosto deste tema.
Um abraço

Barbara disse...

Que bom descobrir esse espaço!
Tenho lá umas postagens antigas sobre as características dos Orixás, desde setembro de 2008.
Gosto deles e gosto que eles sejam também arquétipos presentes no nosso inconsciente.
Vou vir aprender mais.
Obrigada.
obs: não sou estudiosa, minhas postagens sobre os Orixás foram meio intuitivas apenas.
Axé!

Marcelo Mayer disse...

a áfrica e sua escrvidão é muito mais além do que imaginamos. a verdade poucos sabem e "filosofia mágica" se criou do medo... é uma longa história

Gabriel Von Borell disse...

Valeu pelo comentário lá no blog . Quanto à religião, cresci na igreja evangélica e até frequento um pouco ainda . Mas minha religião é Deus e respeito todas as crenças . Vejo aspectos positivos e negativos em todas e por isso não me aproximo muito de nenhuma .

Abraços .

continuando assim... disse...

tudo isto me fascina!!

:)
beijo desde o outro lado do mar


teresa

Maria Dias disse...

Oi Hugo tudo bem?,

Olha,me identifico muitíssimo mesmo com Yansã principalmente pq sinto uma necessidade de liberdade q vc não tem idéia,tenho tb uma personalidade forte e quando me tiram do sério sou mesmo feito a tempestade q pode acabar com tudo naquele instante mas logo depois vem a calmaria pra juntar os pedaços...rs...AMO A Bahia q é um lugar q me faz sentir livre.Inclusive já fiz uma viagem seguindo aqui do Rio Até fortaleza e parando de praia e praia, nessa viagem pude conhecer mais a Bahia,conheci Porto Seguro, Morro de São Paulo q AMO(lugarzinho abençoado aquele não?) e claro voltei a Salvador...Pretendo fazer uma nova viagem mas desta vez irei só até a Bahia de carro novamente.Essa terra é enorme, linda e abençoada!Ficarei atenta para ler sobre Yansã...Beijos!

Maria

Weslley M. Almeida disse...

Publicizar textos que elucidem praticas religiosas tradicionais e históricas, como o camdomblé por exemplo, é importante para exergamos melhor nossas raízes culturais.
Sou cristão protestante, e gosto de ler e refletir sobre práticas de fé em geral, sempre com o olhar de um curioso e não de um pré-conceituoso.
Parabéns pelo texto.
Abraço e quando puder, faça-nos uma visita bolgica!

Daniel Savio disse...

Interessante...

Você é adepto ao candomblé...

Fique com Deus, menino Hugo.
Um abraço.

SAM disse...

Com certeza o amigo vai esclarecer um pouco para os que desconhecem a beleza e a riqueza que faz parte da nossa cultura e deve ser respeitada e preservada. Que mesmos os que não tenham como religião, mas a olhem com respeito para este rico folclore e mitologia, uma tradição ancestral que aqui se incorporou e fez a sua casa. Parabéns, Hugo!

Beijos

Humana disse...

Querido Hugo,

acho do maior interesse esta partilha que aqui fazes, até porque por alguns comentários, entendi que as pessoas muitas vezes não pensam que realmente a cultura brasileira, tem tudo a ver com a cultura africana, já que o povo natural do Brasil, era o povo indio.
Como sabes sou portuguesa porque neta de portugueses e angolana porque nasci em Angola/Luanda, bem como todo o resto da minha familia.
Tenho portanto dupla nacionalidade. Vivo em Portugal mas o meu coração está na minha terra. Daí a foto da Baía de Luanda como imagem principal do meu blog.
Parabéns pelas postagens que estão magnificas! Resolvi comentar aqui mas já li todas.
Beijinhos com muito carinho.