quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Diálogo: Diretora de Escola e Mãe de Aluno


A diretora de uma escola telefona para o celular da mãe de um aluno:


Diretora de Escola – Esta já é quinta vez que lhe convido para uma conversa sobre seu filho. E a senhora nunca veio ao colégio. Nem sequer em reunião de pais e mestres a senhora comparece.


Mãe – Diretora, eu trabalho o dia inteiro; não posso me dar ao luxo de sair do meu serviço para conversar sobre meu filho. Eu vejo ele todos os dias em casa.


Diretora – Vê ele todos os dias, mas provavelmente quando ele está dormindo, né?


Mãe – Por um acaso a senhora está querendo ensinar a educar meu filho?


Diretora – De forma alguma. Na escola não existe a disciplina Educação Familiar. Isso é responsabilidade sua.


Mãe – A senhora está irritada só porque eu não costumo ir aí? Tenha calma.


Diretora – Eu não estou nervosa. O que sinto é indignação com sua displicência em relação a seu filho.


Mãe – Displicente, eu? Se algo está acontecendo com meu filho nas dependências da escola, a responsabilidade é da própria escola e não minha.


Diretora – Minha senhora, perdoe-me pela sinceridade, mas eu e os professores não somos babás, muito menos de adolescentes. Além disso, todo o corpo docente da escola, assim como nossa coordenação e nosso psicólogo fizeram todo o possível para ajudar seu filho. Portanto, a senhora também tem que tentar ajudá-lo. Agora chegou a sua vez de agir.


Mãe – Diretora, neste momento estou trabalhando. Eu já disse que não posso ir aí agora.


Diretora – Mas a senhora está com tempo para ir ao abrigo para menores infratores?


Mãe – Como?


Diretora – Seu filho foi preso do outro lado da cidade vendendo drogas. O delegado insistiu para que ele desse o número do celular da senhora, mas ele não deu, alegando que a senhora não tem tempo para nada e, portanto, não iria tentar resolver o problema dele. Como seu filho estava com o uniforme da escola, o delegado veio aqui para pedir que eu ligasse para a senhora e comunicasse a questão.


Mãe – (...)


Diretora – Senhora?... Está tudo bem aí?


Mãe – (...)


Diretora – Senhora? Senhora?

Escrito por Valdeir Almeida

___________________________________

Foi no Blog do amigo Valdeir Almeida http://ponderantes.blogspot.com/, que encontrei esse texto. Solicitei então sua permissão para postar, pois, é muito relacionado com minha vida profissional. Muito obrigado amigo.
Os pais cada vez mais deixam de ter responsabilidades com a educação de seus filhos. Pouco se tem a presença da família nas escolas, nem mesmo nas datas comemorativas, nem mesmo na educação infantil onde é o início da vida escolar da criança... É uma vergonha, pois, educação é um processo conjunto entre: familia-escola-sociedade.

54 comentários:

Alma inquieta disse...

Olá Hugo,

tens toda a razão do MUNDO!

Eu acho que os pais se esquecem que a PRIMEIRA responsabilidade é deles.
Sabes Hugo o que mais me incomoda?
É ouvir pais dizerem que não têm tempo para os filhos, mas não lhes falta tempo para estarem no café com os amigos...isso sim, incomoda-me profundamente.

Um beijo.

'amandinha disse...

Otimo texto, ele reflete muito realidade de hoje, mais eu acho que essa falta de aproximação e interesse, nao tá só nas familias, tá no mundo todo.. As novas tecnologias ao inves de juntar, está separando as pessoas cada vez mais!


Beiijos :*

Oiara disse...

Realmente, condordo com a senhora. E justamente aqueles pais que mais precisariam ouvir o que acontecem com seus filhos e tentar ajudar de alguma forma normalmente estão ausentes nas reuniões e atividades da escola. È complicado, e é muito comum.Abraço!!!

Humana disse...

Olá Hugo,

concordo plenamente contigo. Este texto é realmente um óptimo exemplo de como muitos pais estão completamente a leste do que se passa com os filhos e nem sequer os conhecem.
A educação dos filhos começa em casa e é importantissima a relação e interacção casa/escola.
Eu tenho o telemóvel das professoras do Gonçalo e quando tenho qualquer questão ou dúvida, tenho total liberdade para ligar, assim como elas me ligam também se acharem que é necessário qualquer tipo de conversa ou esclarecimento dada a problematica do Gonçalo.
Antigamente o professor era uma referência enquanto hoje muitos alunos até batem nos professores. Os " paizinhos" ainda vão tomar satisfacções aos professores quando estes tentam dar-lhes o que devia ser dado em casa!
Muita coisa tem que mudar no que respeita à educação.Hoje são crianças mas são os homens de amanhã.
Beijos meu amigo.

Daniel Savio disse...

Aff, espero nunca ser assim...

Imagina nunca ter tempo para o filho e do "nada" saber que ele está preso...

Fique com Deus, menino Hugo.
Um abraço.

Ozenilda Amorim disse...

É para refletir mesmo, vemos tantas atitudes de abandono dos filhos, mas muita vezes são abandonos, conseqência de abandonos e que gerarão novos abandonos. O futuro é incerto, mas se pensarmos assim, sabemos que o resultado não pode ser bom. Excelente o texto, Hugo e obrigada pelas visitas e comentários lá no blog.
;)

GUILHERME PIÃO disse...

Realmente um caso sério, a maioria não tem tempo para os filhos mas tem tempo de faze-los.
Assim é fácil, faz e manda para as creches, escolas, rua da vida, é um problemão.
Abraços

f@ disse...

Olá Hugo...

Desculpa tb. a minha falta de tempo......
,,...
sem palavras para o mundo em que vivemos… sem imagens sem cor…
belos textos e diálogos como este do teu post para fazer o sol raiar + ou memos… dependendo das mentes...

Vamos sempre pelo carinho… sempre o amor vence…
e aqui no teu espaço sentir esses cristal brilhante é uma bênção…

Obrigado pelo tanto que nos dás…

!menso beijinho

Duanny!. disse...

E o pior é saber que isso, de fato acontece!
adorei esse texto.

Rosan disse...

Oi Hugo.
É verdade o que diz o texto.
Muitos pais se omitem.
Dentro do possível sou pai e mãe dos meus com relação a escola.
Beijo

Vivian disse...

...belíssima lição, querido meu!

quantos pais agem desta maneira
e depois culpam a sociedade
pelas falhas dos filhos.

um beijo, querido lindo!

Wilian Bincoleto Wenzel disse...

Este caso relata o cotidiano de muitas diretoras e muitos filhos aqui no Brasil!
Se você fez o filho, o mínimo que tem que fazer é criá-lo, isso é o MìNIMO... Amor, companheirismo, tudo conta!

Graças à Deus tive a oportunidade e ainda tenho de ter uma mãe presente em casa, digamos que ele sempre pega um pouco no meu pé e vê erros onde não tem! Mas é amor de filho para mãe, isso não se explica! Rs'

Belíssimo texto, parabéns ao seu colega!

p.s: Obrigado pela visita e pelo comentário!

Forte Abraço!

Juliano disse...

Pois é vergonha e é a unica palavra que podemos manifestar nesse momento, aqui em Porto Alegre a coisa ta do mesmo jeito...!

Abraçoooos Hugo

Mahria disse...

Nossa Hugo
Eu como mãe, qdo leu esses textos da um frio na barriga, me perguntando será se estou cumprindo meu papel de mãe corretamente, se estou sendo presente o suficiente...

Muito bom, ler essas coisas q nos leva a pensar e repensar nossas atitudes como pais.

Bjinhos!!!

Serginho Tavares disse...

tenho certeza que é verídico

Francisco disse...

Pais omissos, não sabem o porque os filhos são "adotados" por traficantes e "assemelhados".
A escola transmite conhecimentos, mas a educação se aprende em casa.
Um abração!

@philipsouza disse...

e isso ai existe mesmo????
a falta de tempo hoje é uma constante...

abraçoss

Juliana Santos disse...

Olá, vim agradecer a visita, rs volte sempre...
è falando agora de educação, foi o tempo que a minha vivia em função dos filhos, hoje todo mundo precisa trabalhar para sustentar a casa, e os filhos, estes ficam a merce do mundo...muitos pais nunca contaram nem uma estoria para seus filhos...se em casa ele não recebe carinho, ele nem ao menos tem a capacidade de dar carinho nem rspeitar quem que seja, ...
muito legal o texto... e muito real...
Bj :)

Juliana Santos disse...

Olá, vim agradecer a visita, rs volte sempre...
è falando agora de educação, foi o tempo que a minha vivia em função dos filhos, hoje todo mundo precisa trabalhar para sustentar a casa, e os filhos, estes ficam a merce do mundo...muitos pais nunca contaram nem uma estoria para seus filhos...se em casa ele não recebe carinho, ele nem ao menos tem a capacidade de dar carinho nem rspeitar quem que seja, ...
muito legal o texto... e muito real...
Bj :)

Juliana Santos disse...

Olá, vim agradecer a visita, rs volte sempre...
è falando agora de educação, foi o tempo que a minha vivia em função dos filhos, hoje todo mundo precisa trabalhar para sustentar a casa, e os filhos, estes ficam a merce do mundo...muitos pais nunca contaram nem uma estoria para seus filhos...se em casa ele não recebe carinho, ele nem ao menos tem a capacidade de dar carinho nem rspeitar quem que seja, ...
muito legal o texto... e muito real...
Bj :)

Pri disse...

nossa, que demais esse texto. adorei! e super verdade nos dias de hoje. muitos pais enfurnados no mundinho do trabalho e sem prestar atenção no filho ou na sua educação. parabéns para o autor do texto! beijão!

Nanda Assis disse...

AS PESSOAS VIVEM FOCADAS EM COISAS BANAIS E ESQUECEM O MAIS IMPORTANTE. ADOREI.

BJOSSS...

Giselle Costa disse...

Pois é Hugo, seu texto é bem real, nós mães muitas vezes não conseguimos conciliar o trabalho com eventos escolares.

Tenho duas filhas e quando tem reunião de pais são dois dias "perdidos" no trabalho,isto é, a cada evento pode multiplicar ai os dias de faltas rs

Acho que o tempo está sendo cruel conosco, tudo mudou mas a cabeçinha das crianças são as mesmas, esperam por nossa atenção a qualquer custo. Não estou querendo defender a mãe que é relaxada com a educação do filho, mas precisamos ter cuidado ao criticar uma mãe.

Outro ponto que acho importante, se os tempos mudaram, as escolas também poderiam ajudar revendo de forma mais eficiente as datas comemorativas não acha ? usar mais os sábados seria muito bom para reuniões familiares.

Puxa... escrevi demais... vim aqui pra te dizer que tem um presentinho pra voce la no meu blog.

bjsss

Sanzinha disse...

Concordo plenamente! Também já dei aulas e sei do que você está falando.
Hoje em dia a escola não serve como lugar de aprendizado, mas como um lugar onde os pais podem despejar os filhos, esperando que outros façam o que é de responsabilidade deles.

Beijo grande!

Léo Metallica disse...

Fica a minha crítica.

Acho que este texto é tremendamente sensacionalísta e desnecessário.

Só que ao mesmo tempo eu acho que é essa a línguagem que o povo entende. Não adiantaria de nada colocar aqui um excelente texto redigido por um jornalísta de renome que ninguém iria ler.

É essa a línguagem que os FILHOS, isso mesmo... OS FILHOS entendem.

Viva o Brasil.

Direto do Brasil.
Abraço.

Rafeiro Perfumado disse...

Brutalmente real. A vida nos dias de hoje apresenta um desafio acrescido para os pais, que é conciliar a stressante e exigente vida profissional com a atenção que uma criança precisa e merece. Infelizmente são poucos os que conseguem...

Abraço!

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Muito bom o texto, de utilidade pública.
Deixo-lhe meu beijo de bom dia,
Renata

Valdeir Almeida disse...

Hugo,

Sinto-me honrado por você ter publicado esse texto.

Li todos os comentários aqui e a maioria se sensibilizou sobre a questão com que algumas famílias educam (ou não educam) seus filhos e querem delegar isso às escolas.

A minoria foi representada pelo comentário de Leo Metallica, que qualificou o texto como sensasionalista e desnecessário.

Em primeiro lugar, o texto não é sensacionalista. Pelo contrário, eu suavizei através de palavras aquilo que realmente acontece nas escolas de todo o Brasil. Quem é professor sabe muito bem disso.

Em segundo lugar, o texto não é desnecessário. Ele precisa sim ser divulgado para que as pessoas, como o Léo, saibam da realidade da educação brasileira. Tapar o sol com a peneira é fácil. É isso que os governantes (independentemente dos partidos) querem que a população seja: entes que desconheçam a verdadeira realidade da educação brasileira.

Hugo, mais uma vez obrigado e bom final de semana.

Abraços.

Pés de bailarina disse...

Tens mesmo toda a razão.
Cada vez amis a preocupação dos pais é poder vestir-se bem, ter uma casa enorme e mostrar influencia na sociedade.
E os filhos ficam no colégio, que por sinal é particular e os pais já acham que eles estão bem. Esquecem-se que o amor é o mais importante. Sem amor por vezes sentimo-nos perdidos, a ponto de errar. Como é exemplo esse diálogo.
mas eu acredito que ainda há pessoas como tu, com bom coração :)

Beijinho muito grande*

railer disse...

hoje se um filho não está bem na escola, a tendência dos pais é culpar o educador. bons são aqueles que veem que, na maioria das vezes, o problema é com o próprio filho.

(Carlos Soares) disse...

O texto em si dispensa comentários,já diz tudo.

Marcinha disse...

Olá querido

Infelizmente é uma inversão de valores em todos os sentidos...
É preciso mudanças e concientização , do contrário não sabemos o que serão as crianças e os jovens de hoje ...
É muito triste ...
Amigo , passa no blogterapia que tem selinho especial pra voçê!!
beijos e bom final de semana

Everson Russo disse...

É uma historia triste que com toda certeza ronda varias familias por ai...abraços amigo e um otimo final de semana.

Bonnie Tyler disse...

nossa, fiquei assim O_O com o texto!!!

já leu Precisamos falar sobre o Kevin? Acho que você vai adorar, aborda esse tema tambem..

bjos

Roberto Ney disse...

De penar que isto acontece tanto... trabalho, busca por dinheiro, por ampliar o peder de consumo, enfim... tudo isso faz com que não sobre tempo para o que realmente vale a pena. É preciso que ocorra alguma ruptura abrupta que nos faça repensar nossos valores e nossas atitudes.

abraço!

Thainá Vivas disse...

Tem toda a razão e eu sei muito bem como é, minha mãe é orientadora pedagógica. =/
PS: Já add seu blog na minha listinha, desculpa a demora querido! ;D

Dri Viaro disse...

Um final de semana abençoado pra vc!!
bjsss

Majoli disse...

E como isso acontece meu querido, na escola de meus filhos sempre se ouve da falta de colaboração dos pais na educação de seus filhos.
Eu, procuro ao máximo participar da vida escolar deles, mesmo trabalhando 8 horas diárias de segunda a sexta.
Beijos.

Paulo Vitor Cruz disse...

passando p te desejar o mesmo, caro colega...bom final de semana ae....

*ah, e tbm p dizer q é mto bacana esse texto mesmo...

grande abraço.

Leandro disse...

Essa é a triste realidade da escola. Os pais acham que educação é responsabilidade única e total da escola, não sabem que educar uma pessoa é um trabalho em conjunto, aí dá nisso aí.
Obrigado pela visita e pelo comentário! Vou linkar o seu blog lá no meu.
Abraço

Barbara disse...

Pulando etapas só se cria um vazio e este, geralmente preenchido com o que não presta.
Criança não tá sendo mais criança , se vê adolescente aos 8, 9 de idade, inocência, simplicidade, autenticidade trocadas pelos valores-referências de mídia.
Família ausente, ocupada em manter um "nível" de vida que prá os conceitos vigentes, só se mede por cifrão.
Todos perdidos, todos perdidos, crianças, jovens, adultos.
Todos.
Porque também não excluo a possibilidade de os filhos de profissionais da educação estarem tendo algum problema parecido num outro lugar, já vi acontecer.
Portanto, se ficar o bicho não come mais, se correr o bicho não pega mais, porque não se conhece ou reconhece nada, já que está todo o equívoco mesclado numa realidade entediante para todos.
Não conheço a saída.
Há que ter curiosidade para buscá-la, ao menos isso...em todos nós, porque todos somos responsáveis sim.
Obrigada.

Everson Russo disse...

Meu amigo querido, será um prazer se você me trouxer pra cá, faz o seguinte, escolhe qual texto quer, me manda um e-mail pra evr.russo@uol.com.br que eu te envio...ok? abraços e otimo final de semana.

paula barros disse...

Um texto que devia ser usado em todas reuniões com os pais.

bjs

Rê :) disse...

Bah muito bom!!! Vou até imprimir pra namorado e minha mãe, pois eles são professores!

Um ótimo findi pra ti tb!

bjos ;)

G I L B E R T O disse...

Hugo

Belissimo texto!

A questão é verdadeiramente esta... Os pais querem transferir para a escola e para os professores a tarefa que lhes é unicamente sua: educar seus filhos!

A escola cabe dar direcionamento cultural e intelectual, valores e outras questões também podem ser absorvidos (e devem) dentro da escola, no entanto, é uma tarefa eminentemente familir.

Maes e pais que negligenciam seus filhos hoje, terão os ecos dos problemas amanhã!

Meu amigo, exibes muita habilidade em conseguir sincronizar de maneira perfeita, ensinamentos e lirismo, fazendo disso um ato extremamente lúdico e apaixonante para nós leitores!

parabéns! Vir aqui é sempre estar encantado!

Sempre grato por suas visitas em nel mezzo del cammim, és extremamente gentil!

Roberto Ney disse...

linko sim, com todo o prazer...
vc já está em minha lista VIP!!
abraço e bom fds...

Germano Xavier disse...

Bate-papo mais que verossímil. Real ao extremo.

Para refletir.

Meu abraço, Hugo.
Sigamos...

Jacqueline disse...

Duro, duro. Tantos papéis para um só ser numa só existência. Nem dá tempo para existir de verdade. Ser a mãe ou o pai, a esposa ou o marido, o/a profissional, o/a amigo/a, o/a colega, o/a filho/a, etc, etc.. E todos os papéis, por favor, queira fazê-los com perfeição! Porque a sociedade exige, as associações cobram, o mundo exige. E se sobrar um cantinho escuro, pode chorar escondido, a gente entende que não dá, não dá pra ser tudo. Em alguum momento, em algum papel a gente vai falhar.
Fora isto... o texto é excelente! Parabéns a quem escreveu. Abraços Hugo!

@philipsouza disse...

hehehe passando de novo por aqui meu amigoo

Will Monteiro disse...

é verdadee...Num falo tanto nem daeducação infantil,mas definitivamente,quando a crianças passam pra o fundamental já começam a abandonar...Imagine quando chegam ao ensino médio, ignoram totalmente os fihos, claro que não são todos,mas tornou-se algo comum e isso É trite! Qunto tem reunião de pais lá no colégio é que eu consigo notar verdadeiramente, parece até que uma turma de 57 alunos como a minha é composta apenas por uns 5 no máximo. Os pais definitivamente não comparecem, e olhe que as reuniões na sua maioria são de noite,já por conta dos trabalhos...
Bom, torço pra que essa situação mude!!!

Gosteii do teu blog e já to seguiindo ;*

Andre Martin disse...



Na verdade, esse é um assunto complexo, apesar da imediata interferência nas nossas vidas.

Antigamente, os professores eram tidos como mestres, do ensino e para a vida. E eram respeitados por isto. Poucos alunos privilegiados frequentavam escolas.

Isto tem mudado, bastante e com a velocidade de nossa sociedade, e mal temos tempo para assimiliar essas mudanças, nem nós família, nem as escolas.

As escolas passaram a ter um carater mais comercial, vendem vagas, tratam professores e funcionários como profissionais de mercado, visam lucro acima da educação (digo, a diretriz da entidade, não necessariamente os encarregados na gestão), os alunos passaram a ser números.

Com isto, os pais, que pagam (e caro!), passaram a enxergar como consumidores as escolas como serviço. E em contrapartida, para oferecer o serviço que cobram, as escolas passaram a tratar as famílias (pais e alunos) como clientes.

Então fica difícil agora definir até onde é a responsabilidade da educação do aluno... A escola empurra para a família; a família espera que seja da escola.

Enfim, não é este resumo simplificado que vai esclarecer nem explicar a complexidade do tema. Muito menos resolver...

Me permita disse...

A mais pura realidade da maioria das familias!

EDER RIBEIRO disse...

a negligência do pais como educadores dos seus filhos é a grande causa da degredação humana. abçs.

Ruiva disse...

Sei bem o que é isso... Enquanto professora, tenho que lidar com todo tipo de pai e mãe. E me dá muita dó ver o que essas crianças terão que enfrentar na vida, com pais tão relapsos.