sábado, 25 de julho de 2009

Amor e Sexo: até que ponto um sustenta o outro?


Tenho notado que muitos casais reclamam da qualidade de seus relacionamentos sexuais. No entanto, creio que antes de falarmos de atração física, disposição para o ato sexual ou sensualidade, devamos observar qual é o símbolo que a relação sexual tem num relacionamento que, a princípio, está baseado no amor!Obviamente, a convivência entre um casal pede contato físico, intimidade e, conseqüentemente, sexo. Mas a questão é: até que ponto um sobrevive sem o outro? É possível amar sem transar? É possível transar sem amar? Por quanto tempo? Quanto vale uma relação onde o sexo insiste em existir sem o amor, ou vice-versa?
Sinceramente, acredito que a melhor tradução para o ato sexual entre duas pessoas que vivem juntas e que compartilham a mesma cama, a mesma mesa, enfim, o mesmo teto, seja a tradicional expressão fazer amor. Então, se o que os casais desejam é, sobretudo, fazer amor, a resposta é óbvia! Ou seja, devemos fazer amor em todos os sentidos, em todas as suas possibilidades. Não dá para pensar num amor que teima em aparecer somente no quarto, somente sem roupa, quando o que se espera são beijos, carícias, entrega, confiança, desejo, atração, cheiro, gosto, toque, sussurros e, de preferência, prazer! Não dá para fazer amor com uma pessoa durante 30 minutos ou uma hora se, durante o resto das 23 horas do dia, o que se consegue ter com ela são discussões, desconfianças, críticas, grosserias ou, o que ao meu ver é ainda pior, um silêncio cortante e esmagador, uma ausência absoluta de afeto. Enfim, não há tesão que resista à indiferença, à falta de companheirismo, compreensão e paciência, muita paciência!!!
Então, o que fazer? Desistir? Começar de novo? Sair com outra pessoa? Ou investir de verdade nesta relação e se dar uma nova chance?

Estou certa de que cada um tem a melhor resposta para si mesmo, mas a minha sugestão é que homens e mulheres comprometidos decidam, de fato, se comprometerem. Primeiro consigo mesmos, com seus conceitos e com o que esperam de suas relações. E depois, que possam se comprometer com seus parceiros, propondo uma nova maneira de amar.

Isto é, que os casais compreendam que o ato sexual é conseqüência de uma série de outros atos; que a qualidade do sexo está diretamente relacionada com a qualidade que se tem em todos os outros setores do relacionamento, tais como respeito, admiração, confiança, entre outros já citados. Portanto, para conquistar (ou reconquistar) um relacionamento sexual satisfatório, prazeroso e intenso, é necessário (é absolutamente imprescindível) que os envolvidos invistam, primeiro, nas demais áreas da relação.
Elogios, convites para passeios a dois, comentários que elevam a auto-estima e a autoconfiança da pessoa amada, colaboração mútua, companheirismo, troca de idéias, diálogo (muito diálogo) e transparência são alguns dos mais importantes ingredientes para que se possa obter um relacionamento saudável. Tente ser o mais verdadeiro possível, expondo os seus medos, as suas inseguranças, os seus sentimentos mais profundos. Crie uma atmosfera amigável e dê o melhor de si. Comporte-se como um autêntico Don Juan ou como uma adorável sedutora e garanta o sucesso do seu amor.

E quando você titubear, com medo de sofrer, de quebrar a cara ou de ser passado como tonto, lembre-se que a vida é um risco. Saiba que o amor é um grande risco. Mas que se você nunca correr este risco, poderá ter apenas uma certeza: a de nunca experimentar a plenitude do amor.Por outro lado, se você decidir arriscar, decidir investir no amor trazendo à tona tudo o que há de mais singelo e verdadeiro dentro de você, correrá um outro sério e provável risco: o de descobrir que pode ser amado e pode amar muito mais do que imaginou um dia e que, por conta disso, pode ser muito, muito mais feliz! A escolha é sempre sua.




[ Rosana Braga ]

11 comentários:

joanabell disse...

Com certeza...os casais deveriam repensar seu relacionamentos, que namoro,casamento,romance...ou como queiram falar, é muito mais do que sexo; deveriam repensar seus conceitos do q significa o sexo,uma vez que fazer amor é um ato tão sublime q chega a ser celestial.

Deh Bee disse...

tem que ter os dois e um ser permeado pelo outro. sexo com amor é a melhor coisa do mundo! o sexo devia ser sempre a expressão física do amor, na verdade.

Me chamo Maria Dias disse...

Concordando em número grau e genero!Parabéns pelo texto muito bem escrito e escolhido!

Beijo e te aguardo no Avesso!

Maria

Me chamo Maria Dias disse...

Ah,tua página está mais bonita vc deu um UP!com tuas fotografias ilustrando cada cantinho daqui!Vc tá bonito na fita moço!rs...

Me chamo Maria Dias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Me chamo Maria Dias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Me chamo Maria Dias disse...

Já q não vinha aqui há algum tempo aproveitei para dar uma olhada por toda a página, li abaixo sobre seu amigo q se foi.Bem,nestas horas não se tem muito o q dizer mas o grande Poeta(o maior deles)Fernando Pessoa disse assim num poema q não me recordo o nome agora só este pequeno trecho:"A morte é apenas uma curva na estrada."

Paulo disse...

e,

sendo [também] minha a escolha

:)

permaneço por aqui

.

nesta "casa" sublime e bel.íssima

.

abraço.TE

e desejo.TE

uma boa semana, querido amigo .

amordemadrugada disse...

Olá
Gostei imenso deste post
Escreveste exactamente o ke penso!
Lindo!
Uma realidade, mesmo!
Às vezes é só mesmo preciso um beijo e uma palavra bonita...em detrimento do acto sexual
Cada coisa tem seu tempo
Gostei!
besito em tu

Gilson disse...

Show......
Intenso, verdadeiro e com uma clareza de definição que emociona. Pensamos igual demais nesse assunto, você foi inigualável nesse post. Dez, nota dez.
Abs

Alma inquieta disse...

Olá Hugo!

Parabéns!
Parabéns!
Parabéns!
Não é engano, é propositado.
Adorei!

Menino tu entendes das coisas..., então porquê essa tristeza no teu olhar?

Um beijo meu lindo!