quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

60 anos da - Declaração dos Direitos Humanos


PARIS (AFP) — França e ONU comemoravam, nesta quarta-feira, os 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, proclamada em Paris, cujos valores foram postos em risco em nome da luta contra o terrorismo e freqüentemente temperados pelo realismo político.
Co-fundador da ONG Médicos sem Fronteiras, inspirador do direito de ingerência humanitária, o ministro francês das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, deu o tom das celebrações no dia de hoje. "Há uma contradição permanente entre os direitos do homem e a política externa de um Estado, mesmo na França", declarou.
"A política deve ser impregnada de direitos humanos, mas isso não resume uma política externa", acrescentou.
A elaboração da Declaração Universal dos Direitos do Homem se seguiu aos traumáticos anos decorrentes da Segunda Guerra Mundial, do nazismo e do Holocausto. Seu texto foi adotado pelos 58 Estados, então membros da Assembléia-Geral da ONU, criada em 1945, para substituir a Liga das Nações.
"Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos", proclama o primeiro artigo da Declaração, que enumera, em 30 pontos, direitos humanos, civis, econômicos, sociais e culturais, "inalienáveis" e "indivisíveis".
"Os pessimistas dizem que as coisas vão mal, que o mundo é horrível. Os outros, como eu, dizem: não, vocês não sabem olhar a História. Nunca houve tanto progresso em 60 anos", declarou à AFP Stéphane Hessel, um jurista de 90 anos, que participou da redação do texto.
Os defensores dos direitos humanos apontam, porém, recuos e interrogações, em especial, após os atentados do 11 de Setembro.
"O fenômeno mais importante, mesmo que ele não esteja sozinho, está ligado ao que chamamos de pós-11 de Setembro", observou Patrick Baudouin, presidente de honra da Federação Internacional das Ligas dos Direitos Humanos (FIDH).
"Vimos toda uma série de reações dos Estados Unidos e de outros países ocidentais, totalmente negativas, no que diz respeito às liberdades", disse ele ao jornal "Le Monde".
A Anistia Internacional já fez um apelo ao presidente americano eleito, Barack Obama. "Espero, realmente, que os Estados Unidos tomem um posição firme sobre os direitos humanos no futuro", afirmou a secretária-geral da organização, Irene Khan, em conversa com a AFP.
A questão do universalismo dos direitos do homem também se coloca com a emergência de grandes países como China e Rússia, ou ainda no que diz respeito ao lugar das religiões na organização dos Estados.
Na China, vários dissidentes, signatários de uma carta aberta em favor dos direitos políticos, foram presos na véspera dessa data. Em Harare, advogados zimbabuanos fizeram uma passeata até a Suprema Corte, onde entregaram uma petição denunciando as violações dos direitos humanos por parte do governo.
A França, autoproclamada pátria dos direitos do homem, marcou o aniversário com a entrega de um prêmio, concedido a cinco associações, entre elas a Fundação marroquina Oriente-Ocidente - por sua luta em defesa das pequenas "criadas" marroquinas, forçadas a trabalharem como domésticas desde a infância - e a Women's Development Organization, da Somália.
Uma cerimônia também deve acontecer à noite, no mesmo local em que a Declaração foi proclamada, no Palácio de Chaillot, em 10 de março de 1948.
Em Nova York, a ONU pretende celebrar a data com um discurso da comissária de Direitos Humanos, Navi Pillay.
Na França, as comemorações também foram marcadas por uma polêmica entre o chanceler Bernard Kouchner e a secretária de Estado para os Direitos Humanos, Rama Yade. Segundo Kouchner, a criação dessa secretaria de Estado, em 2007, em nome do realismo das relações entre os Estados, foi "um erro".

17 comentários:

Gui Sillva disse...

os direitos estão em falta, ultimamente.

obrigado pela visita lá no GF.
volte sempre.
Gui

Christi Xavier disse...

Querido Hugo,

Belíssima imagem da Declaração Universal, achei linda, e os textos informativos de suma importância de nosso conhecimento, em diversos aspectos, de não esquecermos que há abalos em leis, em acordos, em tratados, sempre houve isso ao longo da história.

Mas há uma necessidade muito grande de não perdermos esperança, nossos sonhos de igualdade humana, e de não deixarmos de lembrar que Os Direitos Humanos em sua declaração, comemora 60 anos e que temos que difundir, declarar, falar, gritar, ouvir, pra não esquecermos que antes dele, mais difícil ainda atrocidades eram cometidas de modo coletivo.
Não que hj, isso não ocorra, muito, em todo mundo, mas não devemos esquecer que temos um ideal, de um mundo melhor e mais humano.

ESSE É MEU DIREITO, E EU O COMEMORO !!! Assim como vc. rs
Bjs bjs
Chris

Duda Martinez disse...

Há Direitos e Há Deveres. Hoje está tudo misturado, né?
Que Deus tenha piedade de nós!!
Beijos Amado!

Maria Dias disse...

Oi Hugo...

Estou homenageando um amigo e gostaria de te convidar a participar!

Eu voltarei para ler vc...

Grande abraço

Maria

Serginho Tavares disse...

direitos o que mesmo?

Germano Xavier disse...

Continuemos...

Andreia do Flautim disse...

Um bom dia para ti!

Pelos caminhos da vida. disse...

Belissíma texto amigo,linda a imagem,parabéns.

Obrigado por sua visita.

beijooo.

Sonhadora disse...

Acho que tem muito para ser revisto. Direitos humanos. Nossa Constituição. Muitas Leis.


É bem estilo do meu post de hoje, é fácil escrever, falar, o difícil é ter atitudes coerentes, governos comprometidos.

abraços

Vladir Duarte disse...

Ainda há um longo caminho a se percorrer, mas não dá para negar que muito já se avançou nos nesses 60 últimos anos.

Valeu.

Quase Trinta disse...

Se fala muito em direitos humanos, mas também precisamos lembrar nos deveres......
Deveres para com o próximo, para com nossa sociedade...
ainda há um longa caminho a se percorrer

Pelos caminhos da vida. disse...

Bom dia!

Tem selinho da amizade la para vc.

beijooo

Thiago disse...

falta muito ainda.. muito!

Deisy disse...

eh muito bom ter direitos... mas está cada vez mais dificil podermos desfrutar deles...

infelizmente!!!

deh disse...

engraçado pensar que uma coisa tão básica existe apenas há 60 anos!

vou bem, amigo, e você?

um abração

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Hugo:
Publiquei no Galeria e nos meus outros Blogs. Apareça.
Beijos ternos,

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Hugo:
Publiquei no Galeria e nos meus outros Blogs. Apareça.
Beijos ternos,